quarta-feira, 31 de março de 2010

Vacinação contra a Gripe A em Blumenau - Até sexta dia 02 de abril, as Grávidas, crianças menos 2anos e pessoas com doenças crônicas.

Confira o cronograma de vacinação contra a Gripe A em Blumenau.
Esta semana termina a vacinação p/ as grávidas, crianças menos de 2 anos e pessoas com doenças crônicas.
Semana que vem dia 05/04/2010, começa a vacinação para os idosos a partir de 60 anos.
*******************************************************
22 de março e 02 de abril = Grávidas em qualquer período gestacional. Crianças de 06 meses até menores de 2 anos. Pessoas com doenças crônicas (diabetes, obesidade grau III (obesidade mórbida), cardiopatas, asmáticos, Fibrose Cística, doenças hepáticas, doentes renais, doenças hematológicas, distrofia neuromuscular) OBS: Neste período não estão incluídos os idosos.
*
05 a 23 de abril= Adultos de 20 a 29 anos.
*
24 de abril a 07 de maio= Idosos a partir de 60 anos com Doenças Crônicas citadas anteriormente, coincidindo com a campanha de vacinação com a vacina contra a Influenza Sazonal.
*
10 a 21 de maio= Adultos de 30 a 39 anos

Um comentário:

emerson disse...

As pessoas estao acordando para a realidade: que a gripe é branda, que a vacina nao é tao segura quanto a OMS e o ministério da saúde afirmam e que os laboratórios farmaceuticos tiveram grande influencia sobre a OMS para diminuir o criterio para proclamar a pandemia nível 6 e a recomendacao para vacinar todos os países.


Foi comprovado que nos países que nao vacinaram nao houve mais mortes do que naqueles que se vacinaram:

http://www.anovaordemmundial.com/2010/03/diario-digital-de-portugal-gripe-ah1n1.html

"Houve uma manipulação e uma encenação por parte da OMS", acusou a eurodeputada ecologista francesa Michèle Rivais, que disse que a gripe A foi "a crônica de uma pandemia anunciada sob a qual se esconderam interesses econômicos da indústria farmacêutica".

A ministra polaca da Saúde, Ewa Kopacz, sublinhou que os governos "não devem ser reféns dos laboratórios", explicando que a Polónia decidiu recusar encomendas de vacinas contra a pandemia por causa das condições impostas pela indústria, que pareceram "pelo menos duvidosas".

Kopacz referiu que os laboratórios recusaram assumir responsabilidade por quaisquer efeitos nefastos das vacinas.

A ministra da polonia frisou que não só se registaram menos mortes por causa do vírus H1N1 do que por causa da gripe sazonal, como os países que não fizeram campanhas de vacinação não tiveram mortalidade maior.